terça-feira, 29 de março de 2011

Tomei uma decisão

Ás vezes as pessoas questionam-se de como é possível perdoar certas coisas. 
Eu própria me questiono como se pode perdoar algumas coisas nesta vida. Mas acho que a capacidade de perdoar é algo fantástico. 
Eu consigo perdoar mais do que pensava que fosse capaz. Sou capaz de perdoar e esquecer. Viver a minha vida e seguir em frente. 
Sim, eu perdoei quem me magoou. Mas se não perdoasse também não conseguiria seguir em frente e ficaria a remoer no assunto. O que lá vai, lá vai e o caminho é para a frente e não para trás.
Eu estou feliz se estiver de bem comigo e com as minhas decisões. Fico  feliz se aqueles que me rodeiam estão felizes e fico mal se aqueles de quem eu gosto estão mal e precisam de mim e nada posso fazer para os ajudar.
Isto é a vida. talvez possa estar enganada mas espero bem que não.
Até os mais fortes dos mais fortes têm momentos de fraqueza. É isso que os faz humanos.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Da indiferença


Não há nada pior que nos tratarem com indiferença. Ok, quando nos fazem frente também é tramado. Mas a indiferença é mesmo fodid@ (desculpem lá o palavrão, mas não tinha outra palavra que ficasse tão bem no contexto como esta).
A realidade é que quando nos tratam com indiferença isso leva-nos ao extremo. Um dia já estive interessada num rapaz que tinha por hábito tratar-me com indiferença e eu ficava toda lixada com ele. Porra, só queria que ele reparasse em mim, que se mostrasse interessado e pimba, quando me via era como se visse outra pessoa qualquer e tratava-me até com algum desdém. Isso deixava-me fula, irada, passada. A única vontade que tinha era de chegar ao pé dele e dar-lhe um safanão e dizer-lhe: Ei, já reparaste que eu estou aqui, não sou invisível pah...
Nunca o fiz, continuei mesmo a ser invisivel aos olhos dele e a tentar ser vista. Aprendi que não há nada pior que a indiferença para a pessoa que quer ser notada.
Aprendi a lição tão bem que agora o faço. Faço-o porque se pensavam que eu ia andar a chorar aos cantos e com medo de enfrentar quem quer que seja enganaram-se. Eu sou uma Gaja com G grande.
Nunca me escondi por medo e muitas vezes ajo por impulso. Ajo sem pensar e erro, bato com a cabeça na parede mas a seguir ainda me levanto com mais força.
Por isso só posso dizer, a indiferença é fodida e só se pica quem quer...dói?!? a mim também doeu mas foi por isso que aprendi a lição...

sábado, 26 de março de 2011

Noticia de última hora

Houve um sismo no Algarve e quase toda a gente que conheço sentiu; só eu, não senti nada de nada. Dormia que nem um anjinho. Vá lá que a coisa até foi fraquita porque não sei não... aquilo mete medo e eu enjoo.

sexta-feira, 25 de março de 2011

É oficial, não consigo escrever. Já me sentei vezes sem conta à frente do pc com vontade de escrever mil e uma coisa mas não consigo. Não sai nada que faça sentido ou que tenha lógica. As palavras não fluem e os pensamentos não passam de pensamentos. Estamos numa crise de escrita, não sei até quando ou se alguma vez irei recuperar a vontade de escrever parvidades. A ver vamos, mas na realidade não tenho muita fé...

quarta-feira, 23 de março de 2011

O fim de uma caminhada ou o inicio de uma nova caminhada

Tudo depende do que cada um acredita ou do que prefere acreditar. Sinceramente, nem tenho uma opinião muito bem formada acerca disso mas prefiro acreditar que nem tudo acaba ali naquele momento.
A razão deste post é que, ultimamente, tenho a sensação de que há demasiadas pessoas a falecer, demasiadas pessoas a deixar um lugar vazio neste mundo para quiçá preencher outro lugar onde quer que seja. Não falo só de pessoas famosas (porque são dessas que todos nós ouvimos falar), falo de todos aqueles que também perdem alguém que lhes é demasiado próximo.
Desde criança que soube o que era perder alguém que nos é demasiado próximo, sei o que é ficar a sentir que perdemos uma parte de nós assim sem mais nem menos, sei o que é perder o nosso pilar e ficarmos à deriva... infelizmente, soube-o mais de uma vez, mas também tenho que ser sincera e admitir que todas as vezes que se seguiram foi bem mais fácil. A primeira vez foi a que doeu mais, foi querer entrar naquele buraco junto. Foi desistir de viver, foi um questionar tudo o que sempre me disseram sobre a religião católica. Foi um querer encontrar aquele tal 'Deus' e querer acertar contas com ele porque me levou uma das pessoas mais importantes da minha vida.
Falo aqui da morte porque mais um figura pública faleceu, deixando marcas no nosso mundo. Uma entre tantas, é pena que tudo tenha um fim. É pena que encaremos as perdas de forma triste e que fique um género de vazio no mundo. 
Afinal esta é a única certeza que temos no primeiro momento em que abrimos os olhos pela primeira vez, a certeza que um dia os iremos fechar para todo o sempre. Sou só eu a achar que esta passagem é demasiado rápida e que tudo acaba demasiado rápido? Que fica tanto por viver, experimentar, aproveitar... epah não sei não...

terça-feira, 22 de março de 2011

A Bimby minha gente, a Bimby*...

Pois bem, já me iniciei pelos maravilhosos cozinhados da bimby... comecei por fazer a bela da empada de frango que é sem dúvida a minha perdição. E esta saiu mais ou menos bem, houve ali umas falhas mas comia-se bastante bem. 
Hoje foi o dia de fazer a bela da mousse de chocolate. As expectativas superaram-se, quando acabei a dita cuja e a pus no frigorífico pensei que teria de ser comida através de palhinhas pois aquilo estava mesmo muito liquido mas... surpresa das surpresas depois de 3hrs no frigorífico ficou maravilhosamente fofinha. Estava eu, cá pronta, para vir aqui dizer que a bimby não fazia de cozinheiros medíocres grandes chefes de cozinha mas afinal parece que tudo sabe mesmo bem. Agora vou só ali comer mais uma taça de mousse e escolher a próxima receita que irei confeccionar. 
Ah só mais uma coisinha, a minha mousse feita à moda antiga também sabe muito bem e até é menos enjoativa...

*comprar, se calhar até não comprava que é muito cara mas como posso usar a da minha irmã assim vou brincando e fazendo novas experiências.

domingo, 20 de março de 2011

Baywatch

Já sabia que a Sic Radical estava a repetir a série mais vista e mais longa dos anos noventa, porém ainda não me tinha deparado com tamanha pérola na tv. 
Hoje tive esse privilégio e qual não é o meu espanto quando vejo que esta é a temporada mais vista de todas, aquela em que entra o David Charvet e o Kevin Slater. O porquê deste post é mesmo realçar que aqui a je já à muito que quer aprender a fazer surf e neste episódio em particular o Kevin Slater está a ensinar aquela loirinha sem sal que dava pelo nome de Summer. Opah eu queria estar no lugar dela, se bem que nesta altura eu ficava-me a babar por ele mas ele ainda era um puto borbulhento e sem fama nenhuma... agora já está feito num homem de barba rija e bem que podia vir aqui aos meus Algarves dar umas aulas a esta menina ;) juro que daria uma aluna melhor que aquela menina e com algum esforço até teria um corpinho bem mais bonitinho... Garantidamente que vou perder umas preciosas horas a rever esta pérola porque realmente isto é fantástico :) aos domingos à noite já sabem onde me encontrar e ainda por cima a dose é dupla.

Lua, Luar


Fui só eu a achar que a lua estava igual ontem?!? Reparei que havia mais luar, mas o céu também estava limpo coisa que não acontecia há muito tempo... Eu há espera de ver uma lua maior ou talvez mais definida mas no fundo achei-a igual a qualquer lua cheia nas noites de Verão...

Eu adoro a lua cheia, sempre me fascinou e continua a fascinar e realmente estava empolgada mas pelos vistos ou sou eu que não percebo nada de luas ou então aqui deste cantinho do mundo não se notou assim muita diferença.

A vida é uma montanha russa de sentimentos*


Hoje tudo parece bem, no entanto, amanhã já tudo de desmoronou. A felicidade é, por vezes, algo utópica e só depende da nossa forma de ver a vida. A tristeza é o estado de espírito que mais força e esforço exige de nós porque é preciso fazer uma força inimaginável para estar sempre triste de costas viradas para a felicidade. 
Tudo depende de nós e da forma como levamos a vida.
Viver só depende de nós e podemos ficar sentados a ver as coisas a passar por nós ou podemos fazer acontecer.
Os pequenos bons momentos valem mil vezes mais que a nuvem negra que paira sobre mim... e continuarei a sorrir e a rir até os bons momentos voltarem porque serei mais forte e um ser humano mais saudável se continuar a ver o lado bom da vida do que se me entregar aos tristes acontecimentos que teimam em fazer parte da minha vida.


*se calhar até se pode dizer que a vida é mais parecida com uma fatia de melancia, tudo depende do prisma que se olha para a fatia de melancia...

terça-feira, 15 de março de 2011

Problemas têm os outros, eu tenho coisas!

Nunca fui um pessoa de falar muito. Ok, até falo demais mas é só coisas parvas porque falar a sério sobre mim, sobre algo que me perturbe, sobre o que me apoquenta é uma coisa mesmo muito rara.
Normalmente guardo as coisas todas para mim. Como costumo dizer problemas temos todos e muitas pessoas têm problemas a sério enquanto eu só tenho 'coisas', daí a vontade de criar este blogue. Poder partilhar as minhas coisas com o mundo mas ao mesmo tempo não partilhando nada.
Depois ele também ficou conhecido entre os meus amigos e comecei a escrever as coisas de forma a que nem eles próprios percebessem o que eu escrevia. Como me chegaram a dizer várias vezes, escrevo em código. Na maior parte das vezes só mesmo eu é que percebo o que escrevo.
Posso dizer que quem me lê também me compreende e por vezes as vossas palavras valem ouro. Há momentos que só me apetece virar as costas ao mundo e há certas palavras que já me foram ditas aqui que me deram força para continuar.
Isto para dizer que há um assunto que me está a lixar neste momento. Sinceramente, está mesmo a foder-me o juízo, a tirar-me noites de sono, a deixar-me super nervosa e a fazer com que ande numa pilha de nervos. E por incrível que pareça há umas pessoas que me ouvem detalhadamente, repetidamente e que me estão a apoiar imenso. É que às vezes é mesmo preciso exteriorizar o que sentimos para se tornar mais fácil de encarar. Nunca pensei dizer isto, mas, falar daquilo que nos apoquenta é tão bom...

segunda-feira, 14 de março de 2011

Sem nenhum motivo especial...

mas esta semana o meu humor andará assim:

Preciso mesmo daqueles dois dias para mim. Daquele fim de semana de sofá e boa vida, de passeio e caminhadas, de compras e cinema...Antes não detestava mas acho que vou passar a detestar alguns dias da semana aleatórios...

domingo, 13 de março de 2011

MAS PORQUÊ????

Porque é que o dia a seguir é que dói. Dói a cabeça, dói os pés, dói as pernas, dói o coração, dói o estômago... Mas pior que isso é ainda ter que ir trabalhar 8h. E se ligar a dizer que estou doente? Não é mentira nenhuma...

sábado, 12 de março de 2011

Eu faço parte da geração à rasca!

Sinceramente faço e sempre fiz. Todos nós a partir do momento que nascemos fazemos parte da geração à rasca. As coisas estão mal, pois estão. Eu estudei e trabalhei, muitas noites mal dormidas para conseguir pagar as propinas, fui contra algumas pessoas que achavam que o melhor que fazia era deixar de estudar. Tirei uma licenciatura que sinto que podia ter dado mais de mim mas na maior parte dos dias trabalhava as 8h diárias e ainda tinha que apanhar com uma seca de aulas que só visto. O meu curso tem uma teoria fantástica, é um curso que dá trabalho mas também se faz muito bem. Sejamos realistas, há cursos e cursos e alunos e alunos. Eu nem fui para o que realmente gostava, mas isso não fui porque avisaram-me logo que ia arrastar a matemática durante muito tempo. Talvez até não arrastasse porque eu gosto de números, gosto de coisas lógicas e talvez essa fosse a minha verdadeira vocaçao.
Falando da geração à rasca que é aquela que vive a vida ao momento, aproveita tudo o que a vida nos oferece e que ainda quer mais. Na verdade isto é injusto. Eu tirei uma licenciatura e trabalho num restaurante de fast food da mesma forma que trabalham lá jovens que mal fizerem o 6º ano. Onde está a diferença aqui? Não é nenhuma. Mas isto vem de onde?
A minha familia não é nenhum exemplo para se seguir mas nós somos pessoas de garra e por isso mesmo eu decidi que apesar de ter andado a brincar no secundário que havia de tirar uma licenciatura. e para quê? Para andar a servir refeições às outras pessoas e por vezes ser tratada como se fosse lixo por algum senhor engenheiro que se julga com mais escolaridade que eu e que secalhar até teve de 'comprar' a sua licenciatura.
Se gostava de ter um trabalho a sério? Se gostava de ter oportunidades como vejo algumas pessoas terem? Claro que sim. Tenho a certeza que seria uma boa profissional e sei que poderia fazer muita coisa se trabalhasse na área que gostava de trabalhar. Se já desisti? Isso ainda não sei. Se estou à rasca? Isso estou de certeza que mais dia menos dia fico sem emprego e depois quero ver como me sustento a mim e ajudo a minha mãe.
Nós (a minha família) sempre fomos daquelas pessoas à rasca. Nunca me faltou comida na mesa mas faltaram outras coisas. Por isso mesmo sou lutadora e sempre lutei por tudo aquilo que acredito. Agora se acredito que este país alguma vez vá mudar... aí a conversa já é outra.
Nós, a geração à rasca que já vem desde a altura dos meus pais, não tem emprego e os que há são precários, não temos dinheiro, não há igualdade e muito menos vontade que exista. Isto não pode e nem vai partir de nós se continuarem a eleger gajos que mantenham todos os privilégios que a classe alta tem. A geração à rasca continua à rasca e eles continuam com os bolsos cheios de dinheiro. 
Na verdade nunca serei rica, tenho uma licenciatura para trabalhar de graça e ajudar o próximo mas se ao menos me oferecessem um ordenado já era bom, porque nem isso acontece. Ultimamente nem voluntariado aceitam...
Infelizmente não fui à manifestação porque tenho que tentar manter o meu emprego rasca mas que é o que me põe o comer na mesa todos os dias... mas meus caros a mudança está em nós e quando voltarem a se chegar perto de uma mesa de voto pensem no que fazem, ou talvez nem cheguem lá perto.
Os Homens da Luta é que o fizeram bem, gostava eu de ter a coragem deles em fazer o que dizem...porque há muito boa gente por aí que fala, fala mas fazer está mas é calado que daqui não tiro o pé.

Este deve ser o texto mais sem nexo alguma vez escrito, é porque o sangue de revolucionária ferve-me nas veias e começo a sentir que nada se pode fazer...

sexta-feira, 11 de março de 2011

APETECE-ME GRITAR...

...por isso vou só ali ao fundo da rua e gritar bem alto tudo aquilo que tenho preso para sair, depois disso vou sentir-me mais aliviada de certeza. A minha parte racional diz-me que assim é melhor, faz mais sentido e que não vale a pena pensar mais nisso. A minha parte sentimental sente-se usada e humilhada. Um conflito de ideias que me está a deixar confusa, irritada, chateada, magoada... daí a vontade de gritar a plenos pulmões já que mais nada posso fazer. Mas porque raio não consigo só ouvir a parte racional da coisa e tenho que ouvir a sentimental a buzinar-me constantemente aos ouvidos. Há algum botão que desligue o coração e que permita só funcionar com a mente??

Home Cinema Session



'Lisa é, desde criança, uma atleta de alta competição e tem como grande paixão o baseball, pelo que, quando é dispensada da sua equipa, toda a sua vida deixa de fazer sentido. Sem saber que direcção tomar, Lisa começa a sair com Matty, uma estrela de baseball, com um ego enorme e muito mulherengo. George é um sério homem de negócios, que tem uma relação bastante complicada com o seu pai - Charles. No entanto, George é injustamente acusado de um crime fiscal, e o seu pai é a única pessoa que o pode ajudar. Quando tudo parecia estar a desmoronar-se na vida de Lisa e George, os dois conhecem-se na pior noite das suas vidas, e vão descobrir que também existem coisas maravilhosas...'



 E agora eu faço a pergunta a mim própria: 'Tens a certeza que este era um bom filme para veres hoje?' 
Ao que eu respondo: 'O estado psicológico não  era o melhor mas vê-se bem... '

quinta-feira, 10 de março de 2011

Far, far away from here!!

Como tenho uma vaga ideia que nos últimos 28 anos só fiz foi merda, acho que chegou a altura de emigrar para Marte e lá permanecer até o pó que se encontra no ar acalmar...
Começo a achar que este é o melhor momento para aceitar o convite dos meus tios e dar à sola para aquele país dos cangurus e dos koalas. Epah, estou numa fase que só quero sopas, descanso, paz, sossego. Mas percebo que cada vez mais estou metida em series de longa duração que parecem nunca ter fim...
Há um ano atrás estava no fundo do poço e agora sinto-me apenas a dois dedos acima e estar constantemente a ouvir as pessoas a dizerem que isto não está fácil e que temos que se contentar com o que temos também não ajuda muito. Eu quero aprender, eu quero sentir-me realizada, eu quero dar uso ao que aprendi mesmo tendo a noção que a maior parte já lá vai...porra, eu quero viver a vida que sempre pensei que ia viver e não ficar aqui na sombra à espera que as coisas melhorem, porque se não é agora, também nunca vai ser. Infelizmente a idade não perdoa e agora não tenho experiência e depois já sou muito velha...nada corre bem nesta vida.
I need some vacations far, far away from here!

terça-feira, 8 de março de 2011

Bonito isso né?!? li num livro...

'Sei o que é o amor. Quando encontramos a pessoa que devemos amar, soam campainhas e solta-se fogo de artificio na nossa cabeça, ficamos sem palavras e estamos sempre a pensar nela. Quando encontramos a pessoa que devemos amar, sabemo-lo ao olhar profundamente nos olhos dela. Bem, para mim isso não serve. É difícil explicar porque é tão difícil para mim olhar nos olhos das pessoas. Imaginem como seria cortarem-lhes o peito com um bisturi e andarem à procura do vosso corpo, apertando o coração, pulmões e rins. É esse tipo de invasão que sinto quando estabeleço contacto visual. A razão que me leva a decidir não olhar para as pessoas é achar indelicado remexer nos pensamentos de alguém, e é como se os olhos fossem janelas de vidro, de tão transparentes que são.
Sei o que é o amor, mas só em teoria. Não o sinto da mesma maneira que as outras pessoas sentem.'

in No seu mundo de Jodi Picoult

E como hoje é dia da Mulher e tal e coiso...

Onze pessoas estavam penduradas por uma corda num helicóptero.
Eram dez homens e uma mulher. Como a corda não era suficientemente forte para segurar todos, decidiram que um deles teria de se soltar da corda.
Eles não conseguiram decidir quem, até que, finalmente, a mulher disse que se soltaria da corda pois as mulheres estão acostumadas a largar tudo pelos seus filhos e marido, dando tudo aos homens e nada recebendo de volta e que os homens, como a primeira criação de Deus, mereceriam sobreviver, pois eram também mais fortes, mais sábios e capazes de grandes façanhas...
Quando ela terminou de falar, todos os homens começaram a bater palmas...
Nunca subestime o poder e a inteligência de uma mulher...

Banda sonora do dia 3#


E hoje eu andei à chuva, sorri, libertei-me e vivi num tão pouco espaço de tempo.


segunda-feira, 7 de março de 2011



Estou a descobrir-me. Estou a descobrir um novo 'eu'. Aquele 'eu' que eu condeno. Descobri que também sou má pessoa. Também tenho ódios e ressentimentos. Não perdoo como gostava de fazer. Fico magoada e por mim sinto que podiam magoar de volta como me magoaram a mim. Isto faz de mim uma das pessoas que mais condeno. Não sou perfeita e nunca conseguiria ser. Preciso de tempo para esquecer o que me fizeram, para perdoar e principalmente para seguir em frente. Detesto situações mal resolvidas mas esta vai mesmo ficar assim, mal resolvida e caótica. Acho que tenho um problema de dupla personalidade e de controlo de emoções. Vou só ali ponderar no que me quero tornar e tentar que seja numa pessoa melhor...

Thanks girls :)

Sempre ouvi dizer que quem tem amigos tem tudo. E nesse aspecto não me posso queixar. Tenho cá para mim que tenho as melhores amigas do mundo. Tivemos direito a jantar mexicano, a Backstreet Boys, filme de terror, crepes de chocolate, Celine Dion, muitas gargalhadas e alguns sustos. Nada melhor do que noites destas para animar a alma. Desabafámos, aliviamos a alma e pusemos uma pedra no assunto, daqui para a frente mais noites virão, mais gargalhadas, mas esta jamais será esquecida :) thanks girls, i love you guys*

domingo, 6 de março de 2011

Nunca ninguém disse que viver era fácil, muito menos quando o mundo não é só nosso e o temos de partilhar.

Quando pensamos que alguém não nos consegue decepcionar mais, é um erro crasso. Há sempre mais qualquer coisa que se pode fazer para decepcionar um pouco mais. Há pessoas e pessoas e depois há os homens e os ratos. Os ratos são aqueles homens que são capazes de tudo e mais alguma coisa mas que nem sequer têm tomates para assumir o erro deles. Infelizmente deparo-me com alguns ratos na vida para encontrar aqueles que são realmente boas pessoas. 
Só assim para esclarecer, eu não sou inocente nem ingénua, simplesmente acredito que todas as pessoas são boas pessoas até prova do contrário. O problema é que são mais as que se revelam más pessoas, cheias de ódios, pretensões, cinismos e frias do que aquelas que realmente valem a pena...mas desde que em 100 pessoas, 1 seja boa pessoa, isso já é qualquer coisa.

:'(

sábado, 5 de março de 2011

Este fim de semana vou ser uma pessoa muito ocupada, e o motivo é que não vou sair da cozinha...a minha irmã emprestou-me a Bimby e vai ser só cozinhar :) para começar vou fazer a bela da Empada de Frango que é divinal e depois logo se vê.
Alguém quer ser cobaia e vir experimentar o que dali sair???

quinta-feira, 3 de março de 2011

Desculpem-me mas não gosto!


Não consigo gostar de botas ou sapatos brancos. Não sei explicar mas acho que dá um ar esquisito (para não dizer outra coisa). E se tiverem salto ainda piora.
Abro excepção a ténis brancos (alguns) e aquelas botinhas tipo botas de neve que são muito fofinhas. De resto podiam abolir essa cor dos sapatos e provenientes destes. Não gosto, pronto!

A cada dia que passa sou mais gaja, até já tenho post's de sapatos e afins :)

quarta-feira, 2 de março de 2011

Epah, só agora é que me caiu a ficha


Usaram aquela desculpa do : 'O problema não é teu, o problema sou eu. Tu és uma pessoa espectacular e fantástica e eu é que não presto, tu mereces melhor...'
Mas como é que eu não percebi logo assim que disseram que eu era fantástica e espectacular... no mínimo estranho dizerem-me essas coisas e ser verdade. :P
O que irrita é que ao menos podiam ser sinceros mas deixam-se enrolar por estas desculpas e só perdem.

terça-feira, 1 de março de 2011

Em casa de ferreiro, espeto de pau!!!

Aqui é mais do género, em casa de costureira, casaco sem botões. Desde da manhã de sexta feira, enquanto esperava na clínica, que descosi os botões do casaco e até hoje ainda não pedi à costureira da casa  para tratar disso. Ok, tenho outros casacos mas aquele é o preferido.
Vocês também se podem perguntar o motivo de ter descosido os botões, mas achei piada a puxar as linhas enquanto apanhava uma grande seca. Ainda mais, tinha a desculpa que estava pirolita da cabeça por causa da queda...

Ultimamente são só decepções...*


Vá podem atirar-me pedras, dizer que eu não percebo nada de cinema, que sou uma labrega do monte que eu não me importo. Mas na verdade não gostei do Black Swan, esperava muito mais. Com tanto que ouvi falar, com tanta loucura à volta do filme criei expectativas muito altas e pimba, mais uma desilusão cinematográfica.
Achei que a interpretação dela está fantástica mas faltava ali mais qualquer coisa que não sei explicar....
Mas siga 'pra bimbo' que ainda me faltam mais uns quantos para completar a saga óscares :)

*enquanto for só com filmes estamos bem, o pior é quando são com pessoas...