Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2012

Amanhã :)

Dia de passeio por terras alentejanas.  Amo de paixão esta cidade com a qual não tenho vinculo nenhum mas é daquelas coisas que não se explicam, sentem-se :)

Awkward

A serie pode não valer nada mas este Mike Faiola tem muito que se lhe diga, oh se tem :)  Bom dia <3
"Enquanto passeava pelo País das Maravilhas, Alice deparou-se com um cruzamento e não sabia que estrada seguir. Bem no centro desse cruzamento, apareceu o gato, ao qual Alice perguntou: -  Que caminho devo seguir?  O gato, sorridente respondeu:  - Depende, para onde queres ir?  -Para qualquer lado, disse Alice.  Então o gato respondeu:  Assim sendo, qualquer caminho te serve"
E é este o espírito, qualquer caminho serve desde que nos leve a qualquer lado.

Qual a melhor/pior opção

Ao fazer uma pergunta:
a) não ter resposta
b) não ser aquilo que queríamos ouvir

Venha o diabo e escolha porque hoje não me apetece escolhas difíceis :(

Pergunta do mês:

What are I'm doing?!?

Como tudo na vida...

Eu apego-me demais às pessoas. Sempre fui assim desde pequena. Se sinto uma afinidade com as pessoas, apego-me a elas. Não sou tipo lapa, não ando colada as pessoas sem as deixar respirar, mas sinto falta delas se vão para longe, se se afastam. Teimosa como sou, nunca ando a lamentar a sua ausência, mas sinto-o. Por exemplo, quando as minhas amigas foram estudar para longe senti imenso a falta delas mas nunca andei a espalhar pelo mundo que não queria que fossem e isso tudo. Elas foram e eu sobrevivo mas custa a habituar, pois elas estão lá e eu aqui. Não estão comigo sempre que preciso ou vice versa mas as tecnologias são uma boa ajuda. Obviamente, que com os melhores amigos, e se a amizade continua, nunca nada muda com a  distância e quando nos encontramos é tudo igual. Com o resto das pessoas e com o tempo deixa de fazer falta. Essa é a diferença entre um verdadeiro sentimento e o resto.

O fantástico e inesquecivel carrossel : A Selva

Em miúda todas as idas à feira eram sinal de dar umas voltas na Selva. Eu ia com as minhas irmãs para aquele género de chávena que rodava e a minha irmã ia dando à perna para aquilo rodar com mais força.  A minha mãe ia nas cadeirinhas a controlar-nos. Aquilo era tão giro que ontem não resisti e fui matar saudades. Claro que já não tem tanta piada e que há coisas bem mais divertidas e melhores, mas este será sempre o tal carrossel :)

A vida continua... e de que forma!

O que o caloroso mês de Agosto me trouxe e o doce Setembro manteve, o frio do Outubro levou. Interessante esta minha visão últimos meses. 

É de mim...

...ou meio mundo está à espera de algo que pode ser um marco decisivo na sua vida.

Quando me voltarem a dizer que saio ao meu pai, já sei o que responder.

O meu pai detestava médicos. Simplesmente não punha lá os pés porque detestava-os. Nesse ponto sou tal e qual ele. Vou porque sou obrigada, pois a minha vontade de lá ir é muito reduzida.   Este ano só fui ao médico duas vezes até hoje. Fui quando tive uma grande gripe e já não conseguia respirar com as dores que tinha nas costas e as pessoas começaram-me a assustar a dizer que estava com pneumonia e sei lá que mais. E da outra vez fui quando já não conseguia mexer o pescoço de tão inchado que estava e obviamente com as dores que também sentia e isso tudo era papeira.  Mas agora decidi que tem de ser, tenho que ir ao médico regularmente. Hoje fui ao médico e ia morrendo com os nervos só de pensar o que podia advir dali, mas está tudo bem. Para o mês que vem temos dentista e ainda este mês temos consulta de rotina no médico de família para análises e exames a uma dor que tenho no calcanhar há mais de 4 meses mas que fui adiando até agora que a dor é insuportável. Ainda fica a faltar derm…

Friends with benefits

Lamento informar, mas nunca corre bem. E quem diga que corre está a enganar-se a si próprio. Há sempre uma parte que quer mais, que espera mais. Pode nunca o mostrar, pode até guardar para si esse sentimento, mas ele acabará por vir ao de cima e estragar tudo, ou melhor, por um ponto final em tudo. O pior desta coisa da amizade colorida é que um dia uma das partes vai sofrer.

Quando pensamos que não pode acontecer mais nada é aí que acontece algo mais.

Não sou optimista por natureza, mas ultimamente tento com muito esforço pensar que melhores dias virão. Se bem que olhando para o futuro próximo, só vejo é tudo a ficar pior e nada a melhorar. Na sexta recebi mais uma má noticia. Tenho uma divida brutal (para mim é) nas finanças do antigo carro que dei para retoma. Já me chateei e enervei bastante mas aprendi a lição, oh se aprendi. Agora é esperar que tudo se resolva de forma positiva para meu lado e que eu me veja livre dessa divida.
Epah não sei se sou eu que já estava em modo de Outono, mas este calor que se faz sentir pelo Algarve está a dar cabo de mim e das minhas alergias e afins. Que chegue o tempo mais fresquinho que isto assim não se aguenta!!!

Epifania

Estava naquele momento antes de dormir em que tudo me vem à cabeça e que penso em mil e uma coisa. Estava a formular textos fantásticos e elaborados para escrever aqui no blogue. Então dá-me o vaipe e penso, é agora, vamos quebrar a barreira do silêncio. Ligo o pc e toca de abrir o blogue e pôr uma música porreira para as palavras saírem melhor e não sai nada. Não consigo escrever mais de três palavras sem apagar duas. Raios pah!!!

I told you so

Toma-te!!! Quem te avisa teu amigo é, agora toma lá morangos e não digas que vais daqui.  Isto com o tempo está a ficar mais fácil de aceitar, até já dá para rir. Até ao próximo tropeção...

Eu sou um desses bichos raros que deixa de fazer certas coisas por não ter companhia.

Como é que deixamos de fazer aquelas coisas que realmente gostamos por ninguém ir connosco. Eu quase que nasci com uma bicicleta nas mãos. Lembro-me perfeitamente quando comecei a andar de bike sem rodinhas, era numa bike quatro vezes maior do que eu e num instante dominei a coisa. Lembro-me das inúmeras quedas que dei por distracção, parvoíces e brincadeiras.
Todos os dias andava km de bicicleta. Entretanto vim morar para cidade, deixei o campo e deixei a bike também. Há uns tempos voltei a pegar na minha querida bike e andei uns km com amigos mas como ninguém mais quis pegar nas bichinhas deixei de o fazer.
Hoje acordei e decidi ir pedalar, precisava de desanuviar, de me distrair e pimba. Andei uns quantos km e agora sinto-me tão bem :)
Acho que descobri a minha terapia: eu, os pedais e uma boa música a fazer companhia.
É com estas pequenas coisas que sou feliz. Agora vou só relaxar um pouco porque o trabalho espera por mim!!!


Bom feriado*

Há dias como o de hoje que só me apetece pôr uma mochila às costas e partir por este mundo fora. Afastar-me de tudo e de todos e conseguir respirar fundo sem ter nada em que pensar. Infelizmente não é a virar as costas que as coisas se resolvem.