Avançar para o conteúdo principal

Quando me voltarem a dizer que saio ao meu pai, já sei o que responder.

O meu pai detestava médicos. Simplesmente não punha lá os pés porque detestava-os. Nesse ponto sou tal e qual ele. Vou porque sou obrigada, pois a minha vontade de lá ir é muito reduzida. 
 Este ano só fui ao médico duas vezes até hoje. Fui quando tive uma grande gripe e já não conseguia respirar com as dores que tinha nas costas e as pessoas começaram-me a assustar a dizer que estava com pneumonia e sei lá que mais. E da outra vez fui quando já não conseguia mexer o pescoço de tão inchado que estava e obviamente com as dores que também sentia e isso tudo era papeira. 
Mas agora decidi que tem de ser, tenho que ir ao médico regularmente. Hoje fui ao médico e ia morrendo com os nervos só de pensar o que podia advir dali, mas está tudo bem. Para o mês que vem temos dentista e ainda este mês temos consulta de rotina no médico de família para análises e exames a uma dor que tenho no calcanhar há mais de 4 meses mas que fui adiando até agora que a dor é insuportável. Ainda fica a faltar dermatologista e oftalmologista mas cá me cheira que isso só para 2013. 
O problema que ponho nesta história toda é que isto de cuidar da saúde sai assim para o caro, vá lá que ainda tenho um segurito de saúde porque se fosse tudo a bancar do meu bolso via-me grega para pagar estas consultas e exames todos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.