sábado, 28 de dezembro de 2013

Quando passa mais um ano

Acho que os 30 foram agrestes. E já passaram. Muita gente disse-me que eu iria mudar. Eu não senti a mudança até hoje. Hoje, já com 31 anos, vejo que mudei. Acalmei muito. Deixei acalmar a minha alma de rebelde. Passei a ver a vida com outros olhos. Se até agora achava que tinha todo o tempo do mundo, agora acho que todo o tempo é pouco e que preciso de muito mais. Comecei a achar o ser humano mais cruel e deixei de ver as coisas a cor de rosa. Mas luto por um mundo cor de rosa, em que as pessoas são mais importantes que tudo o resto, que os sentimento prevalecem e que a paz interior reina acima de tudo. Estou mais calma e apesar de tudo, a cada dia que passa, tenho mais a certeza do que quero e do que não quero. E eu não quero muita coisa. Agora vamos lá ver se começo a concretizar alguns sonhos daqui para a frente. Se as coisas começam a correr melhor.

Da crueldade do ser humano

Hoje a conversa na mesa rondou à volta de amores e desamores. No fim, depois de abordarmos certos assuntos mais íntimos e de cada qual ter a opinião nalguns aspectos, apenas concordamos em uníssono num aspecto. Tanto homem como mulher, fazer com que o outro goste de sim quando não tem a minima intenção de amar é pura crueldade. Andar ali às voltas 1 ou 2 ou mais meses com conversa e tal e coisa e depois assim do nada sair com um: ah e tal afinal já não dá mais, é pura crueldade do ser humano. O amor não deve ser mendigado, mas também não o devemos despertar sem intenção de o sentir realmente.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

domingo, 22 de dezembro de 2013

Facebook #3

E acho que não devemos estar sempre a desejar ser feliz. Devemos ser felizes e ponto final paragrafo. Eu sei que precisava de mais algumas coisas* para ser feliz num todo completo. Mas, mesmo sem essas coisas*, eu sei que sou feliz. Sou feliz à minha maneira, mas feliz. E não há nada melhor no mundo do que ir a caminhar na rua sem rumo ou destino e sem motivo algum, sorrir. Sorrir porque sou feliz.

*quando me refiro a coisas não me refiro a bens materiais, que esses nós podemos conquistar e mesmo assim continuar com o vazio cá dentro.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

E tanto que esperava de ti, meu caro 2013


Começaste mal. Foste-me à carteira logo ali nos primeiros dias do mês de Janeiro de forma que nunca pensei ser possível de acontecer. Deste-me alguma paz a seguir a esse golpe financeiro. Eu sempre em corda bamba continuei a acreditar que coisas boas só podiam vir a seguir. Depois deste-me um golpe de saúde. Vá, leva com fisioterapia para cima. A seguir foi o trabalho, vai não vai, és ou não despedida. Reformas e mais reformas, uma quase escravidão, um cansaço mental esgotante em pleno verão. Chega o final do Agosto e eu, ignorante, pensei: 'Ah e tal, estas são as coisas boas que me podiam acontecer. Já não será mal de todo. Contam os ditados populares que sorte ao amor azar no jogo' 
Oh inocência a minha, nem tenho sorte ao jogo e nem ao amor. A carteira continua vazia e o coração já nem sei se existe. Não tenho grande capacidade para aguentar mais golpes destes. Resumindo, disseram-me e fizeram-me acreditar que as coisas só podiam melhorar para o final do ano...não podem. Nem os 31 serão motivo de alegria, acho mas é que estou a entrar em depressão por isso é melhor nem pensar nisso.
Agora vou enfrascar-me ali no vinho tinto, ao menos aprendi a beber tintol neste ano.
Ao 2013 só posso dizer, vai mas é morrer longe. Que venha o seguinte que este já rebentou pelas costuras.

domingo, 15 de dezembro de 2013

Quando algo não tem solução solucionado está.

Ao menos o cansaço físico alia-se ao cansaço psicológico. Durmo sem parar, basta sentar-me 5 minutos e já estou a dormir. Assim, tudo fica mais fácil. Enquanto durmo não penso no que me magoa, no que me deixa triste e continuo a viver.

Para não fugir à regra.

Dezembro trás-me sempre coisas que não são boas. Mas qual é mesmo o meu problema com este mês?!?

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Não morres da doença, morres da cura!!!

Não há quem aguente isto e, logo eu que sou um cu de sono ainda menos. Depois de uma tendinite no pé, eis que temos uma na anca e posteriormente será no braço, estou mesmo a ver. O médico proibiu-me o ginásio e mesmo que não tivesse proibido eu não conseguiria arranjar forças para me arrastar até lá. Tenho saudades do meu personal trainer preferido, mas isso não é o suficiente para conseguir arrastar este cu de baleia até ao ginásio no final da rua, não é mesmo. Todos os dias tenho tratamento as 8h da madrugada e depois trabalho até há 1h da noite...a este ritmo viro zombie até ao final de Dezembro. Ainda por cima hoje tenho jantar de natal à meia noite, e sou obrigada a ir. Amanha dou um prémio a quem conseguir fazer com que eu tire o rabo da cama, coisa que não será fácil. Se eu sobreviver a esta loucura diária, sobrevivo a tudo.

Signos e coisas dessas

Eu não sou uma pessoa muito ligada ao esoterismo. Sei de que signo sou, leio de vez em quando umas previsões e isso, mas não sou daquelas pessoas que acredita fielmente no que por aí anda. Mas desde que me lembro de ler algumas coisas sobre signos sempre me identifiquei muito com as características do meu signo. Sou mesmo aquilo a que se pode chamar, capricorniano de gema, com todas as características boas e más. Hoje, descobri este texto numa página de facebook e o que eu me ri enquanto o lia. Eu sou mesmo assim, não conheço ninguém como eu, inclusive pessoas do mesmo signo. Não falho nada, isto é assim ligeiramente assustador.

CAPRICÓRNIO ♑

Amar é preciso, mas para um capricorniano não é uma necessidade vital. É bom para o capricorniano quando o amor bate à sua porta. Mas, se tal não acontecer, nem por isso a vida será menos real. O capricorniano, sonha, sim, mas confia que somente seu esforço pessoal pode lhe proporcionar conquistas agradáveis. Quando a paixão toma conta de um capricorniano, ele se pergunta que poder ela tem para transformar sua vida. Por sinal, ele é desconfiado, está sempre com um pé atrás e recusa as mais eloquentes considerações, enquanto não coincidem com sua própria ideologia. Se o amor for mesmo para valer, ele sabe que terá que se preparar porque a mudança em sua vida será radical. Um amor capricorniano é a possibilidade mais realista de estabilização afetiva – desde que se assuma a convicção de que, uma vez estabelecida, ela não terá retorno.
- See more at: http://revistaesoterica.com.br/blog/01.htm#sthash.SOgYAnPf.dpuf

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Os que bons conselhos dão às vezes fazem-me rir, por ver que eles próprios são incapazes de os seguir*

O amor a partir de uma certa idade é complicado. Não é o sentimento que é complicado, mas sim as pessoas e as suas vivências/experiências. Pelo menos eu sinto isso. Em primeiro lugar, tenho muito medo que me voltem a magoar e logo fico de pé atrás em relação a tudo. Obviamente que estou a levar as coisas com muita calma e pondero muito bem em tudo. Já não sou aquela gaiata que se deixa levar e depois repara que afinal não era bem aquilo que pensava.
No ultimo mês têm-me dito de tudo, prende-o para ele não fugir até ao caga nele que os homens não prestam. Eu prefiro nem o 8 nem o 80. É verdade que não vou para nova, mas não acredito que o amor tenha idades ou prazos para acontecer e se tenho estado sozinha é porque algo de bom me aguarda. Também não acredito que todos os homens não prestem, todos são diferentes e todos têm parecenças mas cada qual é como é, e obviamente, eu não sou nenhuma santa também. 
Acho no mínimo hilariante darem-me conselhos parvos e que eu não os vou seguir de todo. Quero fazer as coisas à minha maneira, sem pressas e nem pressões. Se der, muito bem e fico feliz apostando para que dure toda a vida. Se afinal não der, muito bem, é seguir em frente. Só não aguento mais é que me digam que estou a ficar velha e que tenho que me agarrar ao que aparece ou então fico a tia solteirona, porque isso nunca me assustou.

*António Aleixo

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Cada vez acredito menos no acaso

As coisas simplesmente acontecem porque têm de acontecer. Como aconteceu não consigo perceber. Mas o que tiver de ser, tenho, a cada dia que passa,  mais a certeza de que será. Há um ano atrás não percebia o porque de me ter acontecido uma coisa. Na altura magoou-me muito, hoje sei que foi necessário isso acontecer para hoje estar feliz. Talvez seja desta, talvez não. Só o futuro dirá, mas tinha de acontecer sabe-se lá porquê :)

domingo, 1 de dezembro de 2013

Não sei se sou só eu


Mas tenho para mim que as estrelas de Hollywood são eternas. Logo, quando ao ligar o pc só dou de caras com a noticia de que o Paul Walker morreu há um misto de sentimentos em mim. Eu não o conheço mas sinto que sim. Ele era um actor interessante mas não tinha uma carreira cinematográfica tão plena quanto isso, era um homem lindo (na minha modesta opinião) e fazia uma mulher suspirar e faleceu no seu Porsche conduzido por um amigo, pelo que consta. Acabou a sua vida aos 40 anos, ainda era muito novo. Ainda tinha tanto mais para nos dar. A vida é irónica. Ele que descanse em paz, garantidamente que hei-de vê-lo nos ecrãs mais vezes pelos filmes já mais que vistos e vou sempre acha-lo podre de bom. É pena.

Não sei se te amo mais do que te odeio


E chegou o meu mês, aquele que mais gosto e que mais detesto. Aquele que me deixa mais feliz e mais triste. Um confusão de sentimentos.