Avançar para o conteúdo principal

Os que bons conselhos dão às vezes fazem-me rir, por ver que eles próprios são incapazes de os seguir*

O amor a partir de uma certa idade é complicado. Não é o sentimento que é complicado, mas sim as pessoas e as suas vivências/experiências. Pelo menos eu sinto isso. Em primeiro lugar, tenho muito medo que me voltem a magoar e logo fico de pé atrás em relação a tudo. Obviamente que estou a levar as coisas com muita calma e pondero muito bem em tudo. Já não sou aquela gaiata que se deixa levar e depois repara que afinal não era bem aquilo que pensava.
No ultimo mês têm-me dito de tudo, prende-o para ele não fugir até ao caga nele que os homens não prestam. Eu prefiro nem o 8 nem o 80. É verdade que não vou para nova, mas não acredito que o amor tenha idades ou prazos para acontecer e se tenho estado sozinha é porque algo de bom me aguarda. Também não acredito que todos os homens não prestem, todos são diferentes e todos têm parecenças mas cada qual é como é, e obviamente, eu não sou nenhuma santa também. 
Acho no mínimo hilariante darem-me conselhos parvos e que eu não os vou seguir de todo. Quero fazer as coisas à minha maneira, sem pressas e nem pressões. Se der, muito bem e fico feliz apostando para que dure toda a vida. Se afinal não der, muito bem, é seguir em frente. Só não aguento mais é que me digam que estou a ficar velha e que tenho que me agarrar ao que aparece ou então fico a tia solteirona, porque isso nunca me assustou.

*António Aleixo

Comentários

  1. Segue o teu coração, porque até ao fim da vida é isso que vai interessar. :)

    ResponderEliminar
  2. Oh, as pessoas vão sempre opinar sobre a tua vida e vão achar que elas é que sabem :s Desde que sigas o teu coração, fica tudo bem, vais ver! :)Força :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.