terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Sabe-me pela vida...


O belo chá de menta acabado de fazer. Os biscoitos de manteiga que fiz no passado fim de semana. A mantinha sobre as pernas e a televisão em pano de fundo. Não tem preço, definitivamente.
Só é pena é que seja por tão pouco tempo, daqui a pouco já tenho de voltar a picar o ponto.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Isto é mais ou menos um ciclo vicioso

Da mesma forma que eu desiludo as pessoas, elas desiludem-me a mim. Para uns isso pode passar e ser esquecido. Para mim, isso passa mas não é esquecido. Quem faz uma vez, pode fazer a segunda. 
Já dizia a minha avozinha, gato escaldado de agua fria tem medo, e olha que ela tinha toda a razão.

How to...

então vamos lá, como perder uma lente de contacto dentro do olho por 24hrs.
É fácil, minha gente, muito fácil. É só terem a sorte de, sem intenção [que as coisas ficam melhor feitas quando é sem intenção] coçar o olho e ter a proeza de enrolar a lente debaixo da pálpebra e não conseguir lá chegar. Depois de 2h de trabalhos forçados para a tentar retirar, consulto a médica e ela resolve a 'questão' em menos de 2 minutos. O pior é que com o alivio de metade da lente sair nem percebi que ainda sentia algo dentro da vista e levei as restantes 22h a pensar que era uma animalesca a tentar resolver as coisas e que me tinha magoado a tentar resolver aquilo que nunca iria conseguir. Resultado, passado 22h da minha visita ao médico, pessoas próximas vêem eu fazer um milagre, chorei vidro [como algumas disseram] e agora sou uma santa :))
Não tentem isto em casa sem a supervisão de uma médico.

Deu-me para aqui

E porque me apetece, vou fazer. Vou criar uma rúbrica parva aqui no boteco e vamos lá vez se começo a vir cá mais vezes que isto está assim meio entregue ao abandono. 
A rubrica vai ser: 'How to'. Como me considero uma jovem senhora muito vivida [not] vou ensinar coisas giras e interessantes [ parvoíces, quero eu dizer]. Por isso, preparem-se para o que aí vem...coisa boa não será. 

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Pensamento da semana

Um segundo na boca, uma vida nas ancas!!!

Porque raio há coisas tão boas e que fazem tanto mal...

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

2012 e as mudanças

Uma pessoa tenta ser mais saudável e voltar a fazer dieta, praticar exercício físico, deixar de fumar e tudo em prol de uma vida longa e saudável...mas até chegar a esse ponto temos de penar e muito. Ainda agora comecei e já me lesionei...não sei se vou gostar desta vida longa e saudável mas vou continuar a tentar, pelo menos vou tentar.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

sábado, 14 de janeiro de 2012

Resolução de 2012

Voltar a deixar de fumar e de preferência, para sempre. Até agora foram 14 dias de sucesso mas com um mau humor do caraças.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Saramago

Nunca li Saramago, sou uma inculta eu sei. Mas já há algum tempo que me apetece ler qualquer coisa dele mas nunca sei por onde começar. Que livro dele me recomendam para primeira leitura??

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Argh!!!


Às vezes só me apetece dormir e apenas acordar quando tudo já tiver passado. Porque raio aqui não há belas adormecidas acordadas por príncipes em cavalos brancos... Porque raio a vida não é como aqueles contos de fadas que me contarem vezes sem conta. Quero o livro de reclamações por esses contos de fadas nos fazerem criar expectativas do que a vida será um dia e de na realidade nada coincidir.

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

À vontade não é à vontadinha!

Sou muito boa gente, mas minha gente, quando a mostarda chega ao nariz não me venham cá com merdas. Porque, comigo estão à vontade, mas não pisem aquela linha ténue que está entre nós.

domingo, 8 de janeiro de 2012

Pensava que isto era coisa de crianças...

Desde ontem à noite que me ligam e nada dizem. Coisas deste tipo não me aconteciam à muito tempo... e o desgraçado ou a desgraçada (não faço a menor ideia de quem é) não fala e teima em não falar. Inicialmente ligava em anónimo mas agora já é com numero. Ligo de volta e não me atendem, mando sms e não respondem. Resultado, acho que o meu passeio de Domingo à tarde será à loja da vodafone mais próxima e adquirir um novo número. Gente chata que só me dá trabalho... e com isto perco a mesada que recebia da vodafone. parvos pah.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Silence speaks so loud inside my head

Tenho dias em que quando chego do trabalho só me apetece desligar do mundo. Não ouvir nada nem ninguém. Pergunto-me vezes sem conta porque raio fazem os adolescentes ou pré adultos assim, chatos, com nariz empinado, sem regras e sem o mínimo de respeito pelos superiores. Juro que não entendo. São pessoas que pensam que o trabalho se faz sozinho e eu já não tenho paciência para a coisa. Antes diziam que ia ser mais fácil, mas a cada dia que passa é mais difícil. É um trabalho de merda, com condições de merda e livre-se aquele que disser que eu ganho bem... porque o que eu ganho não compensa em nada o que aturo. E sei que tenho sorte em ter um emprego, mas minha gente...não recomendo a ninguém!

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Jantar numa casa de fados - quase check


Ontem à moite resolvi presentear-me com algo que há muito que desejava fazer. Na verdade não sou um fã de fado mas gosto de ouvir e deixar-me levar pelo ambiente. Então lá fui a um restaurante aqui dos meus algarves que de vez em quando proporciona uma noite de fados aos seus clientes maioritariamente estrangeiros.
Pagámos e bem, comemos bem e ouvimos uns belos fados, outros nem tanto. Mas sempre em alta, deu pena é que como era dia de semana e como tinhamos que marcar o ponto no dia a seguir no trabalho tivemos que vir embora mais cedo. Mas valeu a pena e a vontade de ir a uma casa de fados num bairro lisboeta aumentou.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

A ler

"No pátio de um prédio, num pacífico bairro de Lisboa, uma criança é atacada por três homens e deixada em coma.
Ao investigar o que inicialmente se supõe ser um mero acto de cobardia de um grupo de cabeças rapadas, as autoridades descobrem uma sombria conspiração que prova que, nunca como hoje, a democracia e o estado de direito estiveram tão ameaçados em Portugal.
Neste surpreendente romance, Tiago Rebelo abre-nos a porta dos fundos do lado mais obscuro da política nacional dos nossos dias, onde nada é o que parece ser e onde se desenrolam acontecimentos extraordinários que colocam em perigo a sociedade, sem que esta se aperceba do que está realmente a acontecer.
Negócios duvidosos, violência extrema, espionagem, tudo vale numa guerra secreta entre um implacável exército da extrema-direita e grupos de agitadores anarquistas de esquerda mais radical.
Os dois lados tecem as suas teias globais, que se confrontam, desde as revoltas nas ruas da Grécia aos bairros problemáticos dos arredores de Lisboa.
Numa narrativa vertiginosa que, a cada página, é uma bola de neve de acontecimentos cada vez mais inesperados, o autor apresenta-nos personagens inesquecíveis, como o Caveira, um sinistro gigante que chefia as tropas de choque  de um partido neonaziliderado pelo seu irmão, um homem sem escrúpulos e de invulgar inteligência, que tem o sonho de repetir em Portugal o projecto de Hitler.
Contra estes impiedosos irmãos, o inspector-chefe, António Gaspar, da PJ, leva a cabo uma investigação, que ameaça a sua vida e a da mulher que ama, a ex-namorada que procura recuperar no desvario dos dias perigosos que põem em risco a nação."
 
 
 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

saldos, ai os saldos!!!

Eu que me fartei de dizer que só ia comprar umas coisitas básicas que precisava. Pois, devia ter sido assim. Mas a verdade é que quando me apanhei no centro comercial e com dinheiro na carteira comprei mais um perfume e uns óculos de sol...lá se foram as coisas básicas. Agora, saldos só no verão!

domingo, 1 de janeiro de 2012

Ups!!

Há qualquer coisa que me aborrece nas loucuras cometidas na noite de ontem. É que depois da festa e da loucura, dormi na melhor cama do mundo (a minha) e acordei com a sensação de que nada mudou. Acordei cheia de preguiça e com vontade de dormir mais. Comi qualquer coisa e agora tenho que me fazer à estrada que o trabalho não espera por mim. Oh mundo injusto este, o que quero são sopas e descanso.