Avançar para o conteúdo principal

Desabafo do dia

Eu sei que o país está mal, que atravessamos tempos complicados. Eu sei que desde que nasci o país está mal e cada vez só piora mais ainda. Também sei que temos que agradecer por termos emprego, um lugar onde viver e comida no prato. Eu sei disso tudo de cor e salteado. Só me faltava saber, soube hoje, que os tempos de escravidão voltaram. Se me revolta, ai revolta e não é pouco. Se me apetece virar as costas e mandar tudo para um bom lugar que cá sei, apetece-me. Mas não posso, preciso de continuar a viver. Injustiça de país onde vivemos que se agarram à merda da crise para lixaram os mais pequenos, dia após dia. Os chefões fazem férias pelo mundo, vivem em casas de luxo e vivem como se fossem reis. Mas sou eu e uns quantos mais que trabalham para eles terem a vida que têm. Agora ou aguentas as condições ou lixaste. A escolha é tua!!!

Acabei de saber hoje que querem demitir um membro da equipa de gerência. Se os horarios e trabalho não é fácil com 3 pessoas, não quero pensar com apenas 2. Já deram a entender que férias e folgas acabaram :( não sei até quando aguento isto!!

Comentários

  1. E ainda nos dizem com uma grande lata: "tens de te dar por contente de teres um emprego"...

    ResponderEliminar
  2. Super Sónica pois eu preferia estar no caso da autora do que desempregada e sem saber onde ir buscar o dinheiro para fazer face às minhas responsabilidades.

    Se é uma merda o que lhe tá a acontecer? sem dúvida. Mas fod*-se não me lixem, estar desempregado é pior (e não me venham com a treta do subsidio-dependentes que eu ainda não vi, nem vou ver qualquer cêntimo de lado algum).
    Se a pressão psicológica nestes casos é uma treta experimentem ter que deixar tudo para trás, explicar a um senhorio que não podem pagar mais renda (basicamente pedincharem para vos deixar sair sem os meses de aviso porque senão vão entrar em incumprimento), andar a pedir dinheiro para vos ajudarem a pagar a água, luz, gás e afins para que não fique a dever a ninguém... ter que voltar para casa dos pais, com os filhos, estar dependente deles, não saber se ou como vão manter os vossos filhos ou o que mais podem fazer para encontrar trabalho - não me lixem que eu dava tudo por tudo para poder estar sob pressão mas ter o meu ao fim do mês.

    ResponderEliminar
  3. Caro anónimo, eu compreendo o seu ponto de vista perfeitamente. Não é fácil virar as costas a tudo e perder tudo o que alcançamos só porque não nos deixam trabalhar. Mas tenha atenção, há trabalhar e ser escrava e a escravatura acabou há algum tempo. é um direito que temos, férias e folgas e é isso que reclamo. Do trabalho, sim reclamo por vezes mas sei e tenho total noção que o dinheiro não cai do céu. Mas da mesma forma que me esforço para cumprir o meu trabalho da forma mais competente também quero exercer o meu direito a férias e a folgas...Se é uma merda o que lhe está a acontecer, compreendo e tenho noção que sim, mas se acha que nos devemos sujeitar a tudo por uns trocos no fim do mês está no blog errado.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.