Avançar para o conteúdo principal

Mr. Lewis - O destruidor de sonhos!

Quem é que não viu o Pretty Woman pelo menos uma vez na vida? (falo da minha geração ou das anteriores) 
Se não viram é altura para verem. De certeza que se consegue sacar facilmente num desses sites de downloads ilegais (não que eu seja a favor da pirataria, mas pronto é só uma ideia).
Aquando os meus 12 anos (mais coisa menos coisa) gravei este filme em vhs. Lembro-me que deu na RTP1 durante a semana do dia dos namorados. Andaram a publicitar o filme quase um mês antes, aparecendo a parte final em que ele estava na escada com o ramo de rosas. Eu vi aquela publicidade tantas vezes que meti na cabeça que queria ver muito aquele filme. Fiz uma noitada do caraças porque o filme deu tarde e a más horas com intervalos intermináveis. Consegui gravar tudinho e cortei os intervalos todos. No dia a seguir acordei e fui ver se tinha feito um bom trabalho, por isso era hora de rever o filme. 

Até hoje posso afirmar que já vi este filme mais de mil vezes. Vi o dito filme tanta vez que já sabia as legendas de cor e salteado. Hoje, quando vi o filme na Fox Life, ainda detectei as alterações das traduções feitas (bem melhores, diga-se de passagem) desde 1990 e ainda fico com o coração apertado, tal como fiquei na primeira vez que vi o filme, naquela parte em que passa a música dos meus queridos Roxette.
Acredito piamente que se a minha mãe soubesse a verdadeira história do filme não me teria deixado ficar acordada até às tantas a gravar o filme que conta a história de uma prostituta que acredita em contos de fadas, mas o que lá vai lá vai.

Também acredito que este filme deve ter feito muita jovem que andava na má vida acreditar que iria aparecer uma ricaço cheio de papel e tira-la da vida...como os gajos do mundo cinematográfico estragam as nossas vidas fazendo-nos acreditar nestas coisas do amor. 

Comentários

  1. :) ultimamente tenho me lembrado deste filme, talvez porque tenho passado regularmente junto das ruinas da sala de cinema onde fui pela primeira vez mais uma amiga, numa matiné justamente para ver o Pretty Woman... (tratamento de choque!!) lembro-me do meu pai perguntar o que tinha sido o filme e eu bloquear... acho até que despertei para uma outra realidade e outros conceitos ;)... deve-me ter dado bastante em que pensar... hoje em dia continuo a não cansar-me de o ver, tudo boas memórias

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.