Avançar para o conteúdo principal

A pressão dos 30 (aviso a toda a população, texto longo e chato)

Não sei se isto afecta ou afectou alguém da mesma forma que me afecta a mim. EU não vejo o aproximar dos 30 como algo catastrófico ou assustador. Eu vejo os 30 como mais um patamar atingido. 
Porém, à minha volta e no meu meio (família) há muita pressão à volta dos 30. 
Eu já conquistei algumas coisas ao longo da minha vida, pelo menos acredito que sim. Mas a minha familia acha que não. Os meus mais próximos acham que eu ando aqui só a encher chouriços, só a passar tempo.
Para toda a minha família eu sou a imprestável que vive às custas da mãe. Não vivo assim tanto às custas dela. Eu pago toda a minha comida, eu pago gás, agua, tv e electricidade todos os meses e que essas despesas rondam os 150€ mensais mais o dinheiro para a renda (não integral mas uma parte, agora até tenho colaborado menos por causa de umas despesas mais pesadas que me apareceram). Nesta casa não falta nada porque tudo o que avaria é substituo por novo, já comprei muitos electrodomésticos para a casa e muitas outras coisas. Faço compras mensais de todos aqueles artigos que fazem falta numa casa e entre outras coisas. 
Admito que não sou eu quem trata da roupa porque a minha mãe não aceita a minha forma de fazer as coisas (por mim, a roupa muito bem estendida e depois de recolhida bem dobrada não precisa de ser necessariamente passada a ferro/engomada) mas se tiver sozinha trato disso também e tenho roupa para vestir sempre. Não faço muitas das limpezas porque para a minha mãe nunca fica feito como ela quer e da forma como ela quer e para evitar mais brigas e chatices preferi só fazer quando estou sozinha.
No entanto, para toda a minha familia eu sou a imprestável que vive às custas da mãe e que não faz nada de útil, pois durmo até tarde e deito-me tarde e não tenho horários para nada. Eu trabalho na restauração. O boteco onde eu trabalho fecha sempre à meia noite e nunca saio de lá antes da 1h da manhã. Tenho este tipo de horários há anos e nunca ninguém os percebeu bem, nem fizeram o mínimo de esforço de perceber que este horário é diferente dos habitual das 9h às 5h.
 Dizem-me que eu tenho de crescer e ser independente e sair debaixo das saias da mãe. Eu acho que devia fazer como uma pessoa que conheço que foi realmente independente mas antes disso viveu à minha custa ainda durante uns tempos até que eu disse o basta. Acho que devia sair de casa e ir para um quarto alugado dividir casa com estranhos e não pagar renda à espera que por obra de Deus nosso Senhor ela apareça paga, estoirar cartões de crédito e no fim deixar isso tudo para a minha mãe pagar. Acho que devia ser independente e deixar o carro sem seguro e sem inspecção e avariado para a minha mãe arranjar e quando precisar de comer ir à casa da minha mãe fazer compras. Acho, sem dúvida alguma, que é melhor ser independente sozinha, sem mãe por perto (mas vivendo às custas dela) e viver com estranhos do que ser independente e viver com a minha mãe por uma questão de gestão de fundos (ironicamente falando).
Depois, além de viver com a minha mãe aos 30, ainda temos o facto de eu ser solteira e gostar (tem dias que não gosto) de ser assim, livre de compromissos e de não desejar com todas as minhas forças ter filhos. Não é que não queira, porque obviamente que gostava mas, não faço disso objectivo de vida.
Talvez a minha visão seja a errada, talvez eu seja a imprestável e acomodada que todos acham. E sim, admito que estou acomodada a esta vida, mas se surgisse a oportunidade eu adaptar-me-ia bem na mesma. Não me sinto imprestável com quase 30 anos, apenas com todo o fechar de portas à minha volta apenas procuro a janela por onde sair.  E, muito sinceramente, gostava bem mais que essa janela fosse aqui, no meu país, do que por este mundo fora.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.