Íman humano

Eu sou como um íman de gente perdida no mundo há procura de salvação. Tenho a mania que devo ser um género de Madre Teresa de Calcutá das almas penadas que habitam o mundo. Mas tenho de interiorizar que não posso nem quero fazer nada para as salvar. Não posso mais ser porto de abrigo de quem busca salvação, porque mais dia menos dia, serei eu a precisar de salvação. Tenho que fazer com que pessoas melhores se aproximem de mim e deixar aquelas que que só me fazem mal. Olhar o mundo com um sorriso é tão melhor do que fechar-me a sete chaves a tentar salvar quem nunca o irá sequer reconhecer e vai acabar por me pisar. Estou a ser cruel, mas não quero mais problemas que não são meus nem dores dos outros. Apenas quero o meu leve mundo nas minhas costas!

Comentários

  1. Sorrir, é isso mesmo.
    Afastar das pessoas que não te fazem é o segundo passo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário