Avançar para o conteúdo principal

Ao vigésimo segundo dia de dois mil e catorze

Hoje, ao longo das 14h que estive fora de casa, só me apeteceu enterrar a cabeça na almofada e chorar a bandeiras despregadas. Foi o primeiro dia do ano em que senti o mundo a desabar. 
Não sei se fiz bem ou não, mas os médicos ainda não sabem o que tenho na perna. Faço tratamentos atrás de tratamentos e não há melhoras. Hoje, o novo tratamento deixou-me cheia de dores. Dores insuportáveis a cada passo que dava. Não sei se me apetece continuar ou se me apetece desistir. Se eu soubesse o que sei hoje não tinha deixado passar tanto tempo até resolver descobrir o que se passava com a minha perna.
Preciso desesperadamente de dormir.

Comentários

  1. Então? Não sei se sou eu que sou uma distraída do pior mas ainda não me tinha apercebido que estavas mal de uma perna. :(
    Continua a tentar saber o que é, pede mais do que uma opinião de médicos e mesmo que o tratamento de pareça insuportável não desistas. Força ok? Beijo grande

    ResponderEliminar
  2. descansa um pouco e chora à vontade. são os segredos para continuar a lutar!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Agora sim, vou ficar louca!

Eu pensava que era o trabalho que me ia levar à loucura. Que mais dois meses e estava internada no Júlio de Matos. Mas enganei-me. Estar em casa de cú para o ar sem ter de me preocupar com nada é que me vai levar à loucura.  O que me dizem é:'ah  tal tu só estás de férias há dois dias...vais arranjar alguma coisa e tal e tal'. Gente eu andava a mil, era contratar pessoas, era formar pessoas, era programar cuponeio, era ver cuponeio, era mandar 1500 mails com a mesma informação, era ligar ao departamento tal por causa disto e daquilo, era um acidente que acontecia e mais do mesmo, eram tretas e tretas e agora não há nada... E se eu não arranjar emprego fico um ser imprestável para o resto da vida!!!!

Despedi-me e agora?!?

Hoje foi o dia. Trabalho na mesma empresa há metade dos anos que tenho de vida e cheguei ao fim da linha. Não entendo como as empresas tratam os funcionários, foram anos de ameaças(que nunca passaram de ameaças), foram anos de exploração (consentida), foram anos de pressão desmedida, foram anos de exigência controladora e foram anos que perdi da minha vida.  Levo comigo uma aprendizagem para a vida, um esgotamento nervoso e uma depressão. Levo comigo no coração as mais de 800 pessoas que conheci, que me aturaram e que partilharam um pouco delas comigo. Agora não sei bem o que fazer, nunca procurei trabalho, nem sei bem o que sei fazer, nem sei bem para que serve a minha licenciatura...não sei de nada. Só tenho uma certeza, melhores tempos virão...

A metade da laranja, ou a tampa da panela, ou o raio que o parta!

Quando se chega a uma certa idade temos uma pressão descomunal de toda a sociedade, familiares, amigos casados ou amantizados, para que faças o mesmo.
Fui a um casamento em que a única pessoa sem acompanhante era eu e a minha sobrinha. Salvou-se o barman versus handyman que era lindo de morrer, super simpático e que fizemos amizade para a vida ou para a próxima semana vá.
Hoje, no segundo dia do casamento já diziam que nós vamos casar. Não nos vamos casar de certeza e vou continuar solteira por uns bons tempos, mas que há vontade para nos conhecermos melhor lá isso há.
E sinto que de um momento para o outro tudo está a mudar e estou a gostar da mudança.